O que você procura
você está no Hospital Esperança Recife
Hosp Israelita
Hosp Niteroi D'Or
Hosp Assunção
Hosp Norte D'Or
Hosp Badim
Hosp Oeste D'Or
Hosp Bangu
Hosp Quinta D'Or
Hosp Barra D'Or
Hosp Ribeirão Pires
Hosp Bartira
Hosp Rios D'Or
Hosp Caxias D'Or
Hosp SANTA LUZIA
Hosp Copa D'Or
HOSP SÃO LUIZ
Hosp e Mat Brasil
Hosp São Marcos
Hosp Esperança Olinda
Hosp Sino Brasileiro
Hosp Esperança Recife
Hosp Villa-Lobos
Hosp iFor
Hospital Copa Star
HOSPITAL REAL D'OR
Mudar hospital

Releases


25/11/2015 - Acompanhamento do pediatra da infância à adolescência

Até que idade devo levar meu filho ao pediatra? Essa é uma pergunta mais frequente que se imagina. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o recomendado é até os 19 anos. “O pediatra acompanha a criança desde antes do nascimento, durante a consulta do pré-natal. O profissional conhece a rotina da criança, as doenças que apresentou e está preparado para acompanhar o seu desenvolvimento, até a adolescência”, diz o chefe da Pediatria do Hospital Esperança Recife, Fernando Oliveira. 

 

Durante a gestação, por volta da 32ª semana, é indicado que ocorra a primeira consulta com o pediatra. Ele poderá orientar a futura mãe sobre os cuidados com o bebê, como a alimentação – com destaque para o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida. O médico também acompanha o bebê ainda na maternidade, quando verifica a realização dos testes do pezinho, da orelhinha, do olhinho e de outros procedimentos fundamentais, o que inclui as primeiras vacinas. Já a primeira ida ao consultório deve ocorrer até o sétimo dia de vida do bebê. É nesse momento que o médico realiza o primeiro exame físico, avaliando medidas como peso, comprimento, circunferência cefálica, torácica e abdominal.

 

Após esse período, as consultas devem ocorrer uma vez por mês, até o primeiro ano. Essa fase regular de consultas é chamada de puericultura. Nela, é avaliado o desenvolvimento da criança, podendo ser identificados quaisquer distúrbios de crescimento ou alimentar, por exemplo. Também é importante para a realização de exames periódicos e o acompanhamento do calendário de vacinação.

 

Com o passar do tempo, as consultas podem ser bimestrais ou trimestrais até que a criança complete quatro anos. A partir dessa idade, ela pode se tornar anual, até os 19 anos. Vale salientar que essas são as recomendações para o acompanhamento de uma criança saudável e que o médico pode avaliar caso haja necessidade de aumentar a frequência das consultas. “A criança não deve ser levada ao consultório apenas quando está doente. É importante que os pais sigam esse calendário, pois é fundamental para acompanhar o desenvolvimento da criança e identificar e tratar possíveis doenças – como as respiratórias, por exemplo, tão comuns nos pequenos. E sim, as consultas rotineiras são importantes até quando as crianças são mais crescidas, pois a relação de confiança que se estabelece entre médico e paciente é fundamental para acompanhar as mudanças da maturidade”, salienta o pediatra. 

 

#RedeDOR #EsperançaRecife